Blog
25 ABR 2018
Noeli

Quando meu filho mais velho, Jorge André, tinha dois anos, descobri que estava grávida.

Em poucos meses de gestação, os médicos me avisaram que seriam gêmeos. Mas aos sete meses, veio a surpresa: eram trigêmeos!

De repente, passei de um para quatro filhos.

O parto foi rápido. Em cinco minutos, os três bebês nasceram. Dois meninos univitelinos, idênticos, Luiz Gustavo e Paulo Henrique; e uma menina bivitelina, a Marina.

Naturalmente, o mais velho começou a se comportar novamente como bebê e voltou a usar fraldas. O início foi difícil e cansativo, mas ao mesmo tempo com muito movimento e alegria. Fazia uma tabela de amamentação para não ter risco de algum ficar sem mamar.

Quando os trigêmeos estavam com nove meses, voltei a trabalhar. Sempre consegui conciliar minha vida profissional como bioquímica com a de mãe e esposa.

Quando os filhos estavam maiores, busquei também realizar atividades só minhas e com meu marido, Odilor. Me sinto muito abençoada por ter tido os quatro filhos.

Os irmãos são todos muito unidos e eu, muito coruja. Se eles estão bem, eu fico bem, não importa onde estejam. Agora, entro em uma nova fase: serei avó até o fim do ano.